Luccas Mota, Advogado

Luccas Mota

Ubá (MG)
10seguidores30seguindo
Entrar em contato

Sobre mim

Luccas, Advogado Previdenciarista
Advogado no escritório Talma Sartori Advogados, na cidade de Ubá. Bacharel em Direito pela Fupac/Ubá no ano de 2016. Entusiasta do Direito e suas aplicações práticas.

Principais áreas de atuação

Direito Previdenciário, 50%

É um ramo do direito público surgido da conquista dos direitos sociais no fim do século XIX e iní...

Direito Penal, 30%

É o ramo do direito público dedicado às normas emanadas pelo Poder Legislativo para reprimir os d...

Direito do Consumidor, 20%

É um ramo do direito que lida com conflitos de consumo e com a defesa dos direitos dos consumidor...

Recomendações

(5)
R
Ricardo Fausto Becker
Comentário · há 2 anos
Acho plenamente válidas as transmissões das sessões do STF. Caso não fossem transmitidas a população ficaria sem conhecer o comportamento dos ministros da Corte, às vezes errático, diante de temas sensíveis de grande interesse nacional. A população ficaria sem noção de que alguns ministros parecem confundir a missão de guardiões da Constituição com a de guardiões da impunidade, notadamente quando se trata de crimes de colarinho branco envolvendo a classe política. Vale lembrar a esse propósito que, recentemente, o ministro Marco Aurélio Mello teceu generosos elogios ao senador Aécio Neves como grande prestador de serviços à nação, apesar de ter acabado de se mostrar na mídia a gravação de um pedido de propina do parlamentar ao empresário Joesley Batista e vídeo de seu primo Fred recebendo R$ 2 milhões de dinheiro desviados dos cofres públicos. A população tem, portanto, motivo para não acreditar quando o ministro afirma que que processo pra ele não tem capa, mas sim conteúdo. Os “arranca-rabos” no Supremo são, demais disso, pontos fora da curva, assim como foi a ira do então ministro Joaquim Barbosa contra o colega Gilmar Mendes no julgamento do “mensalão”. Gilmar já se indispôs com vários membros da Corte, como, por exemplo, com Ricardo Lewandowki, o qual, em sessão do Pleno, chegou a verberar em alto e bom tom “ministro Gilmar me esqueça”. A par de suas constantes declarações fora dos autos e antecipação de voto, Gilmar tem o antecedente de provocar seus pares quando contrariado. Por essa razão, pareceu-me perfeitamente compreensível a reação do ministro Luiz Roberto Barroso, afinal não se constitui requisito para ocupar uma cadeira na Suprema Corte se possuir sangue de barata.

Perfis que segue

(30)
Carregando

Seguidores

(10)
Carregando

Tópicos de interesse

(12)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

Outros advogados em Ubá (MG)

Carregando

ANÚNCIO PATROCINADO

Luccas Mota

Entrar em contato